AMOR COM...E SEM PALAVRAS

segunda-feira, 11 de abril de 2011

CARÍCIA


Gabriela Labudda


Demore-se no carinho,
de modo que no rosto do outro
vá a mão como se não fora
voltar. Repita,

demorando-se mais,
de modo que a mão descanse
naquele rosto, como se,
e se esqueça de que.

Repita, demore-se no caminho
como se a mão desses adeus,
agarrada ao rosto que se vai.
Outra vez: repita,

demorando-se mais
e mais, como se a mão bebesse
daquele rosto para, saciada, dormir
ali mesmo, ao pé da fonte.



Eucanaã Ferraz

Sem comentários:

Enviar um comentário